Wikipedia

Resultados da pesquisa

3 de out de 2011

O despreparo de uma juíza

Assistam ao vídeo e constatem o tipo de juízes que temos neste país. Vejam como a juíza trata as meninas sem nenhuma "urbanidade". Quando o defensor público alega os direitos das meninas por já serem mães, a juíza pergunta histérica: e os direitos do turista? Patético!!!
A situação torna-se mais absurda ao se perceber que a Juíza Luciana Fiala não tem a mínima consciência do seu despreparo, do seu desconhecimento da lei (ou desprezo pela lei) da sua arrogância, enfim, da sua total incompetência e de ser uma representante da in-justiça e não da justiça como deveria ser a função do seu cargo. 


Cena do filme "Juízo", da diretora Maria Augusta Ramos. Juízo ganhou o status de hors concours*1 no Festival do Rio em outubro de 2007, foi premiado em diversos festivais.
O filme aborda o julgamento de adolescentes que cometeram infrações e propõe reflexões relacionadas a dificuldades atuais que impedem o cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente. leia aqui

Socorro ao CNJ! Sem ele, estamos perdidos!
-----------
CITAÇÃO - "Uma nação não deve ser julgada pela situação dos cidadãos mais importantes e afluentes; uma nação deve ser julgada pela maneira como trata as pessoas mais humildes."
Nelson Mandela

15 comentários:

  1. Anônimo4/10/11

    Glória:

    mandei pro facebook.

    Bjus

    Marta Bellini

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Gloria você acha que a atitude desta venerável e competente juíza está errada? Me mostre onde e quando um juiz de direito que exerce sua função feito um zumbi, que não tem sentimentos e demonstra frieza nos tribunais resolve o problema dos jovens que moram nas favelas do Rio. Claro que o problema está longe de ser resolvido, e o juiz deve ser imparcial, porém sabendo disso e vivendo em uma sociedade a beira da mingua, do descaso e da criminalidade, você não tem o direito de julgar os atos desta magistrada, ela faz o papel que o pai ou a mãe destes jovens deveriam exercer e em tom de repreensão cumpre o seu dever com vigor a luz do direito. A geração de hoje está completamente desfocada de seu verdadeiro papel, o futuro que os esperam é incerto, a condição social onde estes jovens se encontram não justifica os atos ilicitos praticados pelos mesmos, bem como o submundo em que vivem, tenho certeza de que ao assaltar, robubar, furtar, matar estes jovens não tiveram nenhuma urbanidade, portanto a juíza está certíssima e seu artigo foi infeliz e falacioso e inconsequente.

    ResponderExcluir
  4. * Entevista com a Juíza Luciana Fiala, Glória tente saber mais sobre o juiz antes de pedir socorro ao CNJ...

    Entre as causas que conduzem crianças e adolescentes à criminalidade, quais são as mais fortes, do seu ponto de vista?

    Não há dúvidas de que o contexto sócio-econômico em que os adolescentes vivem influi na ida para acriminalidade. No entanto, o que mais interfere é a formação da criança, a educação recebida dos pais,o ambiente familiar e o estímulo aliado à cobrança e à fiscalização do empenho nos estudos e do cumprimento de regras de conduta e convívio social. Não é porque é pobre que tem que ser bandido. Mas
    tudo depende do que é visto e aprendido em casa, de noções de dignidade e caráter e a necessidade deestar sempre em busca de um objetivo. Infelizmente, estes ensinamentos cada vez mais escassos sãopontos decisivos na formação do caráter. Nos adolescentes infratores, ocorre um desvio na personalidade
    que, depois de certa idade, é difícil de ser contornado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo18/11/12

      NÃO É PORQUE É POBRE QUE TEM QUE SER BANDIDO.

      MESMO PORQUE TEM MAIS BANDIDO RICO QUE POBRE O MENSALÃO ESTA DEMOSTRANDO ISSO. ( E O MALLUF? ).

      É PRA LAMENTAR QUANDO SE DIZ NO ENTANTO, O QUE MAIS INTERFERE É A FORMAÇÃO DA CRIANÇA, A EDUCAÇÃO RECEBIDA DOS PAIS, O AMBIENTE FAMILIAR ( NÃO SUBESTIME A INTELIGÊNCIA DO POVO )QUE PAIS? 80% DAS CRIANÇAS NEM SABE QUEM É. QUE FAMÍLIA? MÃES SOLTEIRAS OU ABANDONADAS PELOS COMPANHEIROS. QUE AMBIENTE FAMILIAR DE QUEM MORA EM UM BARRACO NA FAVELA SEM A MÍNIMA ASSISTÊNCIA DO PODER PÚBLICO.

      TRABALHE EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO INFANTIL AO 5º ANO EM UMA COMUNIDADE CARENTE, QUE VOCÊ VAI TER TOTAL CONSCIÊNCIA DA REALIDADE DE NOSSAS CRIANÇAS.
      ASSIM COMO TEM RESIDÊNCIA MÉDICA, DEVERIA SER OBRIGATÓRIO RESIDÊNCIA ESCOLAR, PARA FUNCIONÁRIOS QUE SE PRÉ DISPÕE A TRABALHAR COM A INFÂNCIA E JUVENTUDE.
      É LASTIMÁVEL E MUITO TRISTE ASSISTIR NESTE DOCUMENTÁRIO ( JUÍZO )UM AGENTE PÚBLICO SE DITIGIR A UM MENOR DE MANEIRA QUE FERE TOTALMENTE O ESTATUTO DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE *CALA A BOCA SE NÃO VAI LEVAR PORRADA, CALA BOCA SEU MERDA* MAIS LASTINÁVEL TAMBÉM É A FORMA QUE AS AUTORIDADES SE DIGIGEM AS CRIANÇAS.

      Excluir
  5. Como definiria sua experiência de enfrentamento diário com as questões do menor delinqüente?

    Bastante desgastante. Principalmente por saber que a chance de recuperação daqueles jovens era remota,
    já que exigiria uma ação conjunta dos poderes executivo, legislativo e judiciário, além de suporte
    médico e psicológico, e reformas e melhorias das instituições nas quais cumprem as medidas sócioeducativas.
    Ou seja, aquilo que chamam de “vontade política”. Sem isso, as medidas aplicadas caem
    no vazio. Mas eu, como Juíza, não tenho autorização legal para não aplicar a medida necessária. Para
    mim, era uma sensação de impotência que eu não podia deixar prevalecer. Então, procurava fazer o que
    estava a meu alcance para alertar, procurava de todas as formas chamar à consciência os adolescentes
    para o que estavam fazendo e exigia que percebessem as implicações de seus atos

    ResponderExcluir
  6. Anônimo3/5/12

    Concordo com vc seja la quem for!!A juiza esta certa...

    ResponderExcluir
  7. Anônimo18/11/12

    SERÁ QUE SE ESTIVESSE JULGANDO UM MENOR INFRATOR QUE MORA NUM CONDOMÍNIO DE ALTO LUXO DA BARRA O TRATAMENTO CONSTRANGEDOR, DEBOCHADO, ARROGANTE, ALTIVO E TOTALMENTE ANTIPADAGÓGICO SERIA O MESMO?

    ResponderExcluir
  8. Anônimo21/5/13

    Acho q ela está certissima"""""""

    ResponderExcluir
  9. Perfeiita essa Juiza... to aplaudiindo de pé..

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  13. Eu concordo com a atitude da juíza, sim. O fato é que ela usa um vocabulário compreensível pelos réus. Eu não entendi onde a juíza desrespeitou a lei. Se no caso houve furto ou roubo, deve ser apurado. O turista mentiu? Prove. Elas reincidentes.
    Porque deste titulo!

    ResponderExcluir
  14. "Despreparada, sem urbanidade, e mal informada" é a sociedade que fica passando a mão na cabeça de bandidos, sendo conivente com "pequenos atos infracionais", e depois fica reclamando da violência! Despreparada é a pessoa que vai comprar maconha e cocaína com esses aprendizes de bandidos, e depois ficam querendo que a justiça seja branda! Sem urbanidade e ignorante são essas duas moças, já reincidentes no crime, alegando roubar pra poder comer... e se isso virar moda? Mas se alguém oferecer um serviço humilde, garanto que não aceitariam. Se queriam roubar comida, porque não foram a um mercado, uma padaria? Se tivéssemos 50% de JUÍZES assim no Brasil, com certeza não estaríamos metidos neste caos da insegurança, nessa inversão total de valores onde o bandido passa a ser mocinho, o errado passa a ser certo, quem cumpre a Lei passa a ser desleal. No documentário aparece ainda, um "dimenor" de 14 anos pego vendendo cocaína; esse pequeno marginal sabe muito bem qual o efeito das drogas, quer ganhar dinheiro fácil, quer ter vida boa, mas, não pode ser tratado como adulto! E porque não? Deveria sim ser penalizado como adulto, com penas severas, sem regalias. Porém, grande parcela de culpa têm a maioria dos políticos corruptos brasileiros, que não passam de pilantras comunistas, que vivem às custas do sistema capitalista. Querem sempre igualar o Brasil à países de 1º mundo, então, porque não igualam as Leis aos padrões das leis americanas, suíças, japonesas, filipinas, etc.??? A verdade é uma só: Político pilantra cria leis para beneficiar marginal, para ter como retorno, o voto desse marginal. Portanto, de nada vai adiantar nossos "amados políticos" construírem mais presídios, aumentarem o efetivo policial, comprarem mais armas e equipamentos, se não mudarem as leis com urgência!

    ResponderExcluir

Comente