Wikipedia

Resultados da pesquisa

6 de set de 2009

Quem dá ordem para matar? O major? O coronel? O Comandante-Geral? O governador do Estado? Ou não precisa nem de ordem?

Certa vez, um preso oriundo do Rio de Janeiro disse aos companheiros de cela aqui em Minas Gerais que eles ainda deviam se consolar porque em Minas Gerais a polícia aleija, mas no Rio, mata. Isso faz alguns anos. De lá pra cá, ele não poderia nem fazer essa ressalva, porque a polícia de Minas Gerais mata tanto ou mais que no Rio.
A que ponto de barbárie chegamos: em se disputar polícia que mata ou aleija.
Enquanto isso, o governador Aécio Neves prepara-se para viajar pelo Brasil em campanha eleitoral. As PMs juntamente com as polícias civis, subordinam-se diretamente ao Poder Executivo (Governador e Secretário de Segurança Pública de cada estado) (art. 144, §6o.). Portanto, caberia ao governador prestar conta à população da mortandade da sua polícia no estado.
Leiam sobre a vítima de hoje(6/9), em notícia publicada no jornal Estado de Minas, caderno GERAIS:

PMs matam rapaz em batida policial
Pedro Ferreira

Dois soldados da PM são acusados de matar a tiros o caminhoneiro Antonino dos Santos, de 35 anos, na principal praça de Jeceaba, cidade de 6 mil habitantes da Região Central de Minas.
O crime ocorreu na madrugada de ontem, quando a vítima saía de uma festa beneficente, no clube da cidade, acompanhado de dois amigos.
O grupo teria parado para urinar em um local escuro quando foi abordado pelos militares, que deram buscas procurando drogas. O caminhoneiro, que era ex-paraquedista do Exército Brasileiro, segundo a família, teria se recusado a se deitar no chão e foi baleado na virilha e abdômen. O pulmão e o baço foram atingidos e Antonino morreu a caminho do hospital.
O crime, segundo o irmão da vítima, o gerente de fazenda Wagner André dos Santos, de 29, foi testemunhado por várias pessoas. Os militares seriam recém-formados. “Eles chegaram e abordaram o meu irmão e os amigos dele, que estavam ao lado de um poste, num local escuro, perto de uma lan-house.
Os PMs mandaram que todos ficassem deitados no chão, mas o meu irmão se recusou, dizendo que não era bandido para ser tratado daquele jeito”, disse Wagner. Segundo ele, um dos soldados deu voz de prisão a Antonino, por desacato a autoridade, mas o rapaz, que estava sob efeito de bebida alcoólica, resistiu. “Por estar num local suspeito, os PMs acharam que ele estava usando drogas, mas deram buscas e não encontraram nada”, disse Wagner.Wagner conta que conversou com o acusado no hospital e este teria dito que Antonino o desacatou e tentou tomar sua arma, que disparou acidentalmente quando lutavam. Antes disso, o caminhoneiro teria tentado fugir, mas o PM apontou a arma e ameaçou atirar.
“Meu irmão voltou, com medo de ser baleado. Testemunhas disseram que ele foi espancado antes de ser morto”, disse o gerente.
De acordo com a artista plástica Virgínia Cândida Ribeiro, de 30, moradora da cidade, o caminhoneiro foi executado sumariamente:
“Era um trabalhador. Depois de uma abordagem humilhante, agressiva e desumana, o policial, que supunha que o cidadão fumava maconha, matou à queima-roupa um rapaz rendido, de braços levantados, que o olhava de frente. A família e a população da cidade estão revoltadas e abismadas com essa manifestação gratuita de violência e crueldade, exigindo que esse policial seja punido”, disse a moradora.
Na tarde de ontem, parentes do caminhoneiro aguardavam a liberação do corpo, que foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Conselheiro Lafaiete. O homicídio será apurado pela Polícia Civil, que vai interrogar as testemunhas.
“Os PMs de Jeceaba estão agindo com arbitrariedade. Eles batem primeiro para depois pedir o documento da pessoa. Eles agridem menores e colocam mulheres contra a parede”, denunciou o irmão do rapaz morto.
-------
Leiam
Manifestação reúne 500 pessoas contra violência racista no AFROPRESS
Você não está só, diz ministro à vítima de violência racista

4 comentários:

  1. Anônimo7/9/09

    Antes de tirar conclusões precipitadas da ação policial é necessário uma investigação minuciosa sobre o fato e não basear-se apenas relatos infundados e comoção popular.Por isso,não vamos fazer sensacionalismo sobre notícia.
    "criticar é fácil"

    ResponderExcluir
  2. Pedro Ribeiro10/9/09

    Mais fácil do que criticar é se omitir, que é o que vocês fazem. Esperar uma "investigação minuciosa" sobre o fato??? De qual país você fala? Aqui no Brasil, só se esperar sentado.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo12/9/09

    Criticar a ação da PM é muito fácil, mas vc não sabe o que é estar nas ruas todos os dias enfrentando bandidos que querem nos matar e matar vc também, vc está se baseando em dados infundados e pior vc nem sabe do que ta falando,o dia que um cara colocar uma arma na sua cabeça , ai vc vai entender que a PM ta certa, vc deve ser mais um desses que fica com dó de vagabundo, mas é pq ele nunca te atingiu, quem sabe vc leva um tiro de um vagabundo um dia e ai sim vc vai entender que a PM não pode chegar com rosas em suas abordagens , hoje nignguem respeita a PM e se num for energicos onde vamos parar? Pense mais antes de falarem besteira.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo17/9/12

    Policia totalmente, despreparada.

    ResponderExcluir

Comente