Wikipedia

Resultados da pesquisa

15 de ago de 2008

A algema que não incomodou o STF





A

ambientalista

Telma Lobão

algemada

à cama

do hospital







Em 2006, a foto dessa ambientalista algemada numa cama de hospital foi publicada na imprensa ( eu mesma divulguei no meu Blog da Glória veja postagem) .
Lembro-me que, na época, ao ver a foto, fiquei tão indignada e ao mesmo tempo convencida de que a notícia iria indignar todo o país, promover uma comoção nacional e, obviamente, provocar uma reação da nossa suprema corte diante de tamanho abuso e infame crueldade.
Ledo engano!
As mesmas autoridades que se encresparam todas quando as algemas começaram a bater nos braços dos "gravatinhas", não manifestaram nenhum repúdio a esse episódio dantesco e vergonhoso.
Ou alguém caiu no conto do vigário de que os ministros começaram a coibir o uso de algema por causa do pedreiro que passou todo o julgamento algemado?
A notícia saiu na Folha de São Paulo no dia 9/5/06. Como só abre para assinante, transcrevo para os leitores:
Ambientalista presa é mantida algemada em hospital da Bahia
LUIZ FRANCISCODA AGÊNCIA FOLHA, EM SALVADOR
Presa há quase três semanas, a ambientalista e engenheira agrônoma Telma Pereira Lobão, 47, está algemada há seis dias em uma enfermaria do Hospital Santo Antonio, em Salvador, por decisão da Justiça. Telma foi detida em Cruz das Almas (município a 142 km de Salvador) no dia 19 de abril, sob a acusação de conclamar a população da cidade a desrespeitar as decisões das juízas Olga Guimarães e Maria Auxiliadora Leite.
A ambientalista disse que criticou algumas vezes as juízas por soltarem acusados de crimes ambientais. "O que estão fazendo com a engenheira fere qualquer princípio de direito. Mantê-la algemada em um leito hospitalar é uma excrescência", disse o advogado Romário Gomes, coordenador da comissão de direitos humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) da Bahia.
A Folha entrou em contato com o fórum de Cruz das Almas, mas não conseguiu falar com as duas juízas durante a tarde e a noite. Desde que foi presa, Telma iniciou uma greve de fome -sua transferência para o hospital foi pedida por médicos que perceberam a sua debilidade."Jamais desrespeitei as decisões judiciais, só organizei uma passeata contra as duas juízas porque não concordava com algumas medidas", disse a ambientalista.
Além da algema presa à cama, Telma está sob custódia policial 24 horas por dia, segundo informações do hospital. "Acho que ela está sendo mais vigiada do que o traficante Fernandinho Beira-Mar, que só é algemado quando é transferido de presídio", disse Romário Gomes, que já ingressou na Justiça com um pedido de habeas corpus para libertar a engenheira.
Foto: Rejane Carneiro - 03.mai.2006/Agência A Tarde

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Comente