Wikipedia

Resultados da pesquisa

5 de jan de 2010

Herança maldita

Publicado no jornal Estado de Minas. Como só abre para assinante, segue a matéria:

De 1980 a 2000, 1 milhão de pessoas foram assassinadas no país
Walter Sebastião
Um milhão de pessoas assassinadas no Brasil entre 1980 e 2000. Quinhentas mil nos anos 1990, a década mais violenta do país. Chocantes, os números são apresentados bem no início do primeiro episódio de Lutas.doc, série de cinco filmes que vai ao ar a partir de hoje na TV Brasil, transmitida em Minas Gerais pela Net.
Tentando entender como se forma e se desenvolve esse caudaloso rio de sangue, os diretores Luiz Bolognesi e Daniel Augusto propõem um grande debate. Fizeram cerca de duas dezenas de entrevistas, ouvindo de presidentes e ex-presidentes da República (Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique) a historiadores, filósofos, escritores, psicanalistas e moradores de rua, entre outros cidadãos.
Utilizando recursos de animação, trechos de filmes, informação e análise, a dupla oferece outro retrato do Brasil. Bem realizada e envolvente, a série faz pensar. O ponto de partida leva o título “Guerra sem fim”: com demolidora argumentação, desmonta-se a imagem do Brasil como sociedade pacífica e do brasileiro como gentil por natureza. O segundo episódio, “Recursos humanos”, volta-se para a escravidão e revela as cicatrizes sociais com suas tensões, ambiguidades e a dificuldade de passar das palavras a atos de transformação.
O terceiro, “Fábrica de verdades”, mostra como a mídia, especialmente a televisão, nega a violência e a brutalidade das relações sociais. O quarto, “Heroína sem estátua”, investiga a discriminação silenciosa das mulheres. O epílogo, “O que vem por aí”, é uma conversa sobre o futuro polarizada entre quem acha que o Brasil está em guerra civil e quem acredita que o crescimento econômico e político pode mudar a situação.
HERANÇA
“Lutas.doc é uma reflexão sobre os brasileiros a partir de todo o sangue derramado no Brasil e da nossa violência, sempre escondidos sob o tapete”, afirma o diretor Daniel Augusto. “A violência contemporânea é herança histórica”, enfatiza. Consequência de raízes econômicas da sociedade e fruto da desigual distribuição de riquezas, ela vai se espraiando por todas as relações sociais. O diretor chama a atenção para o fato de que, agravando a situação e impedindo que ela seja enfrentada, a realidade é ocultada por mitos que amenizam e escondem a crueldade das relações humanas no Brasil.
“Um dos problemas da violência brasileira é o fato de ela ser muito implícita”, observa Daniel. Cordialidade, democracia racial e país abençoado são alguns desses mitos que impedem a sociedade de se mobilizar, acredita. “Com Lutas.doc, nosso objetivo é abrir discussão aprofundada, mas aberta a pessoas de todas as idades e de qualquer lugar do país”, explica.
O trabalho tem destinatário especial: “Gostaríamos que o pessoal que está no segundo grau e começando a universidade visse os filmes, pois eles experimentam momento crucial de inserção na sociedade. O jovem carrega forte poder de mudança”. Os realizadores torcem que os filmes cheguem às escolas como material didático.
A violência brasileira tem solução? “Tem, mas o tema é complexo e cobra atuação em várias frentes, não será resolvido em um ou dois governos. A solução passa por mais presença do Estado em alguns campos, como oferecer à população mais acesso à educação, à saúde e a melhores condições de vida, além de oportunidades reais de realização. É fundamental a melhor distribuição de renda ”, responde Daniel Augusto. A pacificação da sociedade brasileira, adverte o diretor, “depende de não ficar jogando a população brasileira na lata de lixo da história”.
Além da expectativa em relação à estreia da série na televisão (“ela se comunica com todo o Brasil”), Daniel vê com otimismo o avanço do diálogo entre emissoras e produtores independentes. “Esse caminho traz outros olhares, estéticas e propostas, o que permite oferecer maior variedade de conteúdos, sem doutrinação, para o espectador”, explica.
“A TV é o veículo de comunicação mais difundido no Brasil e um dos menos reflexivos. O cinema brasileiro pensa muito mais o Brasil do que a TV. Falta a ela oferecer debates mais interessantes”, conclui. A ideia do projeto partiu de Luiz Bolognesi, que convidou Daniel para a empreitada.
O paulista Bolognesi tem 43 anos, formou-se em jornalismo e cursou ciências sociais na Universidade de São Paulo (USP). É o roteirista dos longas-metragens de ficção Bicho de sete cabeças e Chega de saudade, dirigidos por Laís Bodanszky, de O mundo em duas voltas, filme sobre a trajetória dos navegadores da família Schurmann. Também foi corroteirista de Doutores da Alegria. Daniel Augusto tem 37 anos, é formado em cinema e mestre em literatura pela USP. Dirigiu o documentário Fordlândia (lançado ano passado, na segunda edição do Festival É Tudo Verdade) e a série Mapas urbanos, sobre cidades do Brasil sob o crivo de poetas e compositores, premiado na República Tcheca em 2003. Foi codiretor de O diário de Naná Vasconcelos.
LUTAS.DOC
Série de cinco filmes documentais sobre a violência brasileira. Em cartaz na TV Brasil (canal 3 da NET) de hoje a 2 de fevereiro. Terças-feiras, às 23h, com reprises às quintas-feiras, à meia-noite.

2 comentários:

  1. http://www.celularsony.com Fórum com dicas sobre celulares da marca Sony. Você fica conheçendo os modelos atuais e também celulares espiões.
    Aonde comprar o seu celular, toques polifonicos, configurações, gps, navegação e muito mais.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo23/1/10

    Blá, blá, blá inútil de intelectual querendo emular o ativista social. Moro numa quebrada em Itaquera e se a polícia vier aqui cometer um mini-genocídio vai estar é fazendo um enorme bem pra sociedade. E ninguém vai dar a mínima, principalmente vocês. A mídia só se importa quando é algum bonitinho endinheirado que morre.

    ResponderExcluir

Comente