Wikipedia

Resultados da pesquisa

8 de jul de 2010

A DITADURA DAS LEIS

Notícia na Folha de São Paulo de ontem:
Projeto pune quem difama pai e mãe para os filhos
Proposta no Senado proíbe genitor de desconstruir a imagem de parceiro
Caso aprovada, regra também valerá para parentes que exerçam poder sobre criança, como tios e avós
(JOHANNA NUBLAT DE BRASÍLIA)
"Não teve lucro para ninguém." É assim que o carioca A. A., 48, resume a vivência que teve da alienação parental, que ocorre quando o pai ou a mãe trabalha de forma sistemática para desconstruir a imagem que o filho tem do outro genitor.
A alienação assume graus variados. O caso clássico é quando o casal se separa e um passa a minar a imagem que o filho tem do outro.
Ela pode ocorrer, porém, dentro do casamento (quando o genitor fala mal do outro para o filho) e por parte de outras pessoas que têm autoridade sobre a criança (tios ou avós), diz Sandra Baccara, psicóloga especialista em família e adolescência.
"A gente não pode dizer que qualquer fala é tentativa de alienação, é natural as pessoas ficarem com raiva. Ela ocorre quando há uma campanha", diz a psicóloga.
O termo "alienação parental" ainda não existe na lei brasileira, cenário que pode mudar com a aprovação de um projeto de lei que está na pauta de hoje da CCJ do Senado. Se o texto original não for alterado, como é a previsão, o projeto deverá seguir para a sanção presidencial.
INVERSÃO DE GUARDA
Além de criar a figura legal da alienação, o projeto descreve suas manifestações -como dificultar o acesso à criança e omitir informações do filho ao genitor- e estabelece punições ao alienador -que vão de multa e advertência à inversão da guarda da criança, passando pela determinação de acompanhamento psicológico.
O projeto foi apresentado pelo deputado Régis Oliveira (PSC-SP) em parceria com grupos de pais e mães.
A previsão da alienação na lei poderia ter atenuado o caso do carioca A. A. -que prefere não se identificar pela delicada situação familiar.
Ele conta que ficou mais de três anos sem contato com o filho, hoje um adolescente, e que agora os dois estão tentando se reaproximar. "O laço foi rompido. É uma guerra que não vale a pena", diz. O filho -criança ou adolescente- é o maior prejudicado nos casos de alienação parental, lembra Baccara.

3 comentários:

  1. Anônimo2/10/10

    Obrigado pelo trabalho dos Senhores, eu tenho uma pessoa da familia preso ai. É triste não podemos visitá-lo pois moramos no Rio de Janeiro. O que me conforta é saber que o trabalho dos Senhores tem como o bjetivo a regeneração. é muito triste ficar longe de um ente querido fico imaginando o nivél de estres dele sem visitas da esposa e do filho.Oro p/ que Deus de Paz a ele.Deus abençõe os Senhores.

    ResponderExcluir
  2. Elisabeth Ramos2/10/10

    Obrigado pelo trabalho dos Senhores, eu tenho uma pessoa da familia preso ai. É triste não podemos visitá-lo pois moramos no Rio de Janeiro. O que me conforta é saber que o trabalho dos Senhores tem como o bjetivo a regeneração. é muito triste ficar longe de um ente querido fico imaginando o nivél de estres dele sem visitas da esposa e do filho.Oro p/ que Deus de Paz a ele.Deus abençõe os Senhores.

    ResponderExcluir
  3. Elisabeth Ramos2/10/10

    Obrigado pelo trabalho dos Senhores, eu tenho uma pessoa da familia preso ai. É triste não podemos visitá-lo pois moramos no Rio de Janeiro. O que me conforta é saber que o trabalho dos Senhores tem como o bjetivo a regeneração. é muito triste ficar longe de um ente querido fico imaginando o nivél de estres dele sem visitas da esposa e do filho.Oro p/ que Deus de Paz a ele.Deus abençõe os Senhores.
    www.elisabeth-ramos.blogspot.com

    ResponderExcluir

Comente