Wikipedia

Resultados da pesquisa

11 de jul de 2009

No Brasil, manifestantes são sempre "bandidos"

Li hoje esta notícia:
Jovens da cidade de Firminy, no Sudeste da França, queimaram carros e atacaram lojas pela terceira noite consecutiva em protesto pela morte de um jovem de origem árabe sob a custódia da polícia. Um promotor público pediu uma nova autópsia no corpo do jovem para tentar explicar a morte e evitar uma escalada dos protestos. Os ataques começaram tarde da noite quinta-feira, depois de cerca de 200 pessoas terem se reunido diante da casa da família de Mohamed Benmouna, de 21 anos. Ele foi preso por suspeita de extorsão e logo após seu encarceramento entrou em coma e morreu. Os jovens colocaram fogo em uma padaria, uma farmácia e várias lojas. A polícia afirmou que Benmouna usou as cordas de um colchão para se enforcar na noite de quarta-feira e entrou em coma, mas a família do jovem diz não acreditar nessa versão.
PERGUNTAS
Por que será que no Brasil a polícia mata aos montes e a sociedade não se indigna, não reage?
Por que na Europa, os que protestam são chamados de "jovens", "manifestantes" e no Brasil são "bandidos"?
Por que, no Brasil, os promotores públicos não pedem "uma nova autópsia" diante das versões fajutas da polícia?

Um comentário:

  1. Azarias12/7/09

    A polícia entra na comunidade(eufemismo do novo século) atirando porque ela tem medo. Mata crianças e idosos. Atira para todo lado para suplantar o medo. O Superior com Divisas alega que a "a patrulha foi agredida e alvejada primeiro e reagiu". O povão em peso na rua diz que foi ao contrário. As pessoas sabem que o Superior com Divisas mente; o repórter que segura o microfone sabe que o Superior com Divisa mente; Os mortos sabem que o Superior com Divisa mente; O Superior com Divisa sabe que está mentindo; A mãe, a esposa, os filhos, a amante, sabe que o filho, o marido, o pai, o amante, que é o Superior com Divisa mente. Os únicos que acreditam que o Superior com Divisa não mente é o Vereador, o Deputado, Senador, Prefeito, Governador, Presidente e o Poder Judiciário.

    ResponderExcluir

Comente