Wikipedia

Resultados da pesquisa

23 de nov de 2007

Abaixo-assinado

Abaixo-assinado pede punição à Globo por programa racista de Jô Soares, assine e divulgue
(22/11/2007)
A divulgação que iniciamos a partir deste blog daquele vídeo da entrevista de Jô Soares com um taxista que trabalhou em Angola. Lembram? Aquele mesmo onde esse taxista abordava “a vida sexual angolana” e falou entre outras coisas que o “negro começa seu relacionamento sexual com garotas de 6, 7 anos e gosta de sentir as mulheres apertadas”. Pois então, aquela nossa divulgação já está tendo dois resultados objetivos para além da indignação. Acabo de receber um abaixo-assinado que está circulando na internet e será encaminhado para os ministros Tarso Genro, Nilcéia Freire e Matilde Ribeiro, como também para o Procurador Geral do Ministério Público do Rio de Janeiro. O abaixo-assinado solicita um pedido de desculpas da Rede Globo por ter transmitido aquele vídeo. Evidente que já o assinei. Sugiro que todos os leitores que como eu se indignaram com aquela estupidez façam o mesmo e divulguem o texto e o vídeo para sua lista de amigos. Quem não tiver assistido ao vídeo pode assisti-lo neste link.
Afora isso, também fui informado que a campanha “Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania” já encaminhou denúncia para o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro e que a Procuradora Federal dos Direitos do Cidadão do Rio de Janeiro, Márcia Morgado, instaurou processo judicial contra a Rede Globo de Televisão, a fim de identificar se realmente houve desrespeito às comunidades negras.Para acompanhar os desdobramentos do processo, os interessados podem acessar o site do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro com o seguinte número MPF/PR/RJ/nº 130012000689200758, ou pelo site www.eticanatv.org.br. Leia o abaixo assinado abaixo e se quiser assiná-lo entre neste endereço.
Até o final da semana, a petição também estará online em inglês e francês. Os organizadores estão procurando um voluntário para traduzi-lo para o espanhol. Quem tiver sugestões e quiser colaborar diretamente na mobilização, pode entrar em contato diretamente com: Élida Lauris (elida.santos@uol.com.br), Lourenço Cardoso (lourencocardoso@uol.com.br) ou Rose Barboza (rose.bs@uol.com.br). Íntegra do texto do abaixo-assinado:
Ilmo Sr, Ministro da Justiça, Tarso Genro Ilma Sra, Secretária Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro Ilma Sra, Secretária Especial de Políticas para Mulheres, Nilcéia Freire Ilmo Sr, Procurador-Geral do Ministério Público Federal no Rio de Janeiro Nós, os abaixo-assinados, repudiamos o conteúdo exibido na programação da Rede Globo de Televisão, no dia 18 de Junho de 2007, durante o “Programa do Jô”, pedimos uma retratação deste veículo de comunicação pela violência simbólica perpetrada nas afirmações do programa e requeremos do Estado brasileiro a apuração da responsabilidade pelas ofensas reproduzidas. Nesse dia, no programa desse conhecido artista brasileiro foi entrevistado o senhor Ruy Morais e Castro. A entrevista realizada com humor expressou frases racistas metamorforseadas em piadas inocentes que eram abonadas pelos sorrisos e aplausos da platéia, como pode ser conferido no endereço eletrônico: http://www.youtube.com/watch?v=ySWZXekdBkw Durante a reprodução do referido programa, o entrevistado, incitado pelo apresentador, deteve-se em apresentar detalhes do que denominaram “vida sexual angolana”. No relato que faz, vê-se a consagração da idéia de que África e os africanos representam uma civilização homogênea caracterizada pela inferioridade cultural e biológica, legitimando a mentalidade racista sustentada no argumento de que o continente africano, os países africanos, os povos africanos, em particular, a mulher africana são inferiores e que esta inferioridade pode ser comprovada por sua sexualidade animalesca. O constrangimento latente em cada uma das declarações exige uma ação estatal imediata. Não se pode esquecer que o Estado brasileiro assume publicamente o compromisso de promover e defender os direitos humanos do que é prova todas as convenções internacionais de que faz parte. Desde 1994, o Estado brasileiro como signatário da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, conhecida como "Convenção de Belém do Pará" sabe que é função do Estado “incentivar os meios de comunicação a que formulem diretrizes adequadas de divulgação, que contribuam para a erradicação da violência contra a mulher em todas as suas formas e enalteçam o respeito pela dignidade da mulher”. Sabe também, enquanto signatário da Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial (1968) , que “a doutrina da superioridade baseada em diferenças raciais é cientificamente falsa, moralmente condenável, socialmente injusta e perigosa, e que não existe justificação para a discriminação racial, em teoria ou na prática, em lugar algum”. E ratifica, de acordo com o caput da Convenção Sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher , que é considerada violência psicológica e moral toda forma de constrangimento e ridicularização dirigido a alguém devido ao seu credo religioso, raça, gênero ou origem nacional. A entrevista exibida caminha na direção contrária da luta que, em diversos contextos e em distintas partes do mundo, povos de diferentes nacionalidades empreendem contra todos os tipos de opressão. Umas das questões a ser refletida na nossa sociedade global seria a seguinte: como os estereótipos racistas são reinventados em pleno século XXI? (Memmi, 1989/[1957]: 21, Babha, 2005: 105 - 128, Pinto, 1998: 168 - 210) O senhor Jô Soares e o Senhor Ruy Morais e Castro nos fornecem uma resposta como hipótese: os estereótipos racistas seriam reinventados pela mídia ao veicular atrações racistas como esta, do Programa do Jô. É óbvio que existem outras maneiras de se reinventar o racismo e/ou construir o racismo na sociedade contemporânea, contudo, o desserviço que o poder da mídia pode prestar é um fator considerável dado o seu papel de formadora de opinião. No caso em questão, o fato de a entrevista ter sido televisionada e o seu meio de difusão ter sido a Rede Globo, que detém há anos a maior audiência televisiva do Brasil e ampla exibição internacional, aumenta drasticamente as consequências lesivas das afirmações feitas e a necessidade de ação contra elas. O programa acima mencionado viola os direitos fundamentais expressos na Constituição Federal de 1988, as Convenções Internacionais de que o país é atualmente signatário e constrange toda a sociedade, como se não bastasse legitimar o ideário racista também acaba por propalar uma potente forma de apologia ao sexismo, à xenofobia e à pedofilia. Ridicularizando a diversidade cultural, uma das formas mais vis de que a cultura ocidental pode lançar mão para demonstrar sua suposta superioridade, as declarações feitas na entrevista erigem o androcentrismo como único ponto de vista, apresentando a raça negra como expressão do primitivo, do irracional e as mulheres negras como objetos meramente sexuais, onde o único comportamento “esperado”, independentemente de sua idade, é a promiscuidade e a subordinação de sua sexualidade ao desejo do homem.
Assim, e por considerarmos temerária esta forma ideológica de propagação do racismo, do sexismo, da xenofobia e da pedofilia é que propomos esse abaixo-assinado, exigindo a apuração de responsabilidades e a pronta retratação da Rede Globo de Televisão em um pedido de desculpas público, com ampla divulgação, pelos constrangimentos a que submeteu às comunidades africanas e angolanas, às mulheres de forma geral, às mulheres negras de forma específica e à sociedade brasileira.
Por Renato Rovai, editor da revista Fórum http://www.revistaforum.com.br/sitefinal/blog/

4 comentários:

  1. wilson rezende24/11/07

    Parabéns pelo ótimo blog, tenha um ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Wilson. Precisamos mesmo de incentivo e apoio para continuar na luta por justiça num país tão historicamente injusto. Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Este Programa do Sr. Jô Soares, nada tem de cultural, por esse motivo, poucas foram as vezes em que perdi minhas horas de sono para ver, tanta besteira junta, não sei como a "Rede Globo" uma emissora de tamanha envergadura, consegue contratar uma pessoa como esta, que dizem, ter uma enorme inteligência, "até pode ter", mas, eu não consigo de forma alguma ver ou sentir tal "Inteligência", vejo sim uma pessoa pernóstica, uma pessoa sem a mínima educação que demonstra em seus programas, pelo menos aos que consegui assistir uma forma nojenta de apresentador, pena que Roberto Marinho já tenha falecido, pois que tudo que por ele foi criado, aos poucos está se deteriorando, inclusive ao mostrar e apresentar um "programa" como este que foi apresentado, mas, o que fazer se seus herdeiros e diretores assim o querem!
    Será que dá Ibope,um programa desses?
    Especialmente apresentado por uma pessoa que não vejo nada de normal, vejo sim uma pessoa totalmente anormal as demais pessoas que conheço e vejo nos diversos canais de Televisão!
    Se mandarem tal elemento embora, nenhuma falta irá fazer a Rede Globo de Televisão! Por mim, ele não colocaria os pés ném na calçada, imagina entrar para apresentar um Programa de Televisão! Mas, tem gente que gosta do que ele apresenta, o que fazer?
    Quanto ao que foi apresentado, imagino que a Rede Globo, saberá tomar suas providências e em breve tal cidadão perderá seu emprego, que diga-se de passagem deve receber muito bem, para apresentar tanta bobagem e besteiras, precisamos e de programas culturais para que possamos educar nosso povo com exemplos bons, não estes conhecimentos que foram apresentados, se é que é verdade do cidadão que foi entrevistado!
    Precisamos ter cuidados, pois quem tem um microfone as mãos, tem que ter responsabilidades, considerando que são milhares e milhares de telespectadores a ver e ouvir quem está a falar no microfone, e, este cidadão, não é a primeira vez que apresenta programas com péssimas qualidades que podem inclusive influenciar aqueles que estão a ver e a ouvir!
    Rede Globo, faça o favor, demita este cidadão o mais breve possível para o bem de todos! Inclusive do Brasil ver e ouvir um elemento desta natureza! Já temos tantos problemas no Brasil e vem este cidadão a trazer exemplos ridículos para cá, faça o favor, chega de tanta palhaçada!
    Quanto ao problema do racismo, se é que está inserido no programa tal situação que o Ministério Público, avoque a gravação e faça o que for necessário, pois sendo o Ministério Público o Fiscal da Lei, somente cabe a "Ele" tal situação e se for o caso ingressar com a Ação Criminal, consierando que trata-se de uma Ação Penal ou Civil Pública!
    rezendeaugusto@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. Como Mulher Angolana, venho nao so' juntar a minha voz de repudio e protesto contra o programa em questao, mas tambem agradecer a todos os que no Brasil tomaram como sua a causa das mulheres angolanas ofendidas.

    Um abraco e votos de sucesso para o blog!

    ResponderExcluir

Comente