Wikipedia

Resultados da pesquisa

20 de set de 2008

Apelo de um detento

Júlio César de Souza Félix
MEU APELO

Gostaria muito de conseguir uma advogada que realmente me olhe como eu sou interiormente e me ajude a voltar à liberdade
Estar em contato diariamente com pessoas que já cometeram diferentes transgressões nos colocam dentro de um contexto em que aprendemos a superar a nós mesmos. Eu, antes, reclamava quando o sol estava quente demais e agora o que eu mais queria era estar livre e poder sentir o sol em meu rosto e, ao mesmo tempo, deixar escorrer a lágrima que automaticamente rolará, em agradecimento a Deus.
Estou apenas desabafando...
Todos sabem muito bem o que é estar aqui, sabem do desejo que todos alimentam dentro de si de retornar à liberdade. Dizem que “os fins não justificam os meios”, mas todos nós, seres humanos, temos o dever de ser sinceros e expor a nossa tribulação.
Estou aqui porque não souber ser sábio e quando passei fome, eu me desesperei e peguei num curral os fios de eletricidade para comprar alimento. Naquele momento, eu estava perplexo, não agüentava mais de fraqueza.
Depois de mais ou menos um ano e 6 meses, eu não fui encontrado para receber e assinar as intimações porque eu moro na roça e poucas pessoas, ao certo, sabiam como chegar até lá.
Os policiais militares sabiam e até, reafirmaram que realmente é um local bem longe da cidade. E agora, eu estou me sentindo em total abandono, eu gostaria muito que Deus me desse essa vitória, de eu conseguir uma advogada que realmente me olhe como eu sou interiormente, e me ajude a voltar à liberdade.
Peço em nome de Jesus, me ajudem! Eu me proponho a trabalhar em qualquer lugar que for determinado e cumprir com responsabilidade e boa vontade, a qualquer ordem superior, sem vir a descumprir datas, horários e locais.
Eu não sou foragido, usuário de drogas, não uso bebidas alcoólicas e não ofereço nenhum perigo à sociedade.
Ajudem-me a conquistar a oportunidade de trabalhar para que eu possa reconquistar minha dignidade e poder assim fazer algo em prol da cidade onde moro.
Por eu estar morando na roça e não ter contato com os parentes, eu não soube que o oficial de justiça estava me procurando para eu assinar e comparecer perante o senhor Meritíssimo Juiz, para responder dignamente por minha transgressão, fato esse que causa profundo arrependimento e lamentação por eu ter me deixado abalar por não ter naquele momento, o que fazer para comer. Bem: eu peço perdão a Deus em nome de Jesus.
E creio que tudo posso naquele que me fortalece. Peço ao senhor Deus que abençoe e ilumine a vida do Meritíssimo Sr. Juiz, dos Promotores, dos advogados e a todos os que direta ou indiretamente nos dão uma oportunidade de termos mais responsabilidade para nós mesmos. Um forte abraço.
NOTA - Quando recebemos este texto para publicação na edição 147 do Recomeço, entramos em contato com a Defensoria Pública da Comarca de Cataguases e após a atuação da defensora pública, comunicamos que Júlio César foi liberado, depois de cumprir dois meses de prisão.
(Os textos são em parte corrigidos (ortografia, pontuação) para maior legibilidade e conforto da leitura, mas é totalmente mantido o conteúdo e a forma de se expressar dos presos)

2 comentários:

  1. Luciana21/9/08

    Que desabafo comovente desse detento! Penso que como ele devem existir vários nas prisões do Brasil. Se a defensoria pública funcionasse realmente isso naum aconteceria.
    Fiquei feliz de ler a notícia da soltura do rapaz. Que Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo21/9/08

    Bom ler um texto desses para a gente poder dar valor a tudo que tem. Parabéns ao trabalho de vcs em ajuda a essas pessoas.

    ResponderExcluir

Comente